Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria não vai com as outras.

opiniões pessoais sobre tudo um pouco.

Maria não vai com as outras.

opiniões pessoais sobre tudo um pouco.

26
Abr19

Uma ode ao cansaço.

Patrícia Pereira

O cansaço é um filho da mãe. Mas ao mesmo tempo é algo que nós trás invariavelmente para o planeta terra e revela por fim as coisas verdadeiramente importantes. Durante as ultimas semanas andei a tratar de mudanças. Mudei de casa finalmente, troquei o T1 no centro da cidade pelo T2 nos arredores e estou convicta que terá sido uma das melhores decisões que poderia ter tomado. Não tive capacidade de escrever, ou vontade ate nos últimos tempos, dado que no final do dia, depois de caixas de coisas e trabalho pelo meio, tudo o que ansiava era por cama, comida e um bocado de tempo para não ter de pensar, e contemplar o vazio da casa antiga, o caos da casa nova.

 

Finalmente esta tudo no sitio. A mobília velha, a nova, as coisas que ficaram e muitas das quais me desfiz nas mudanças. E irónico que uma pessoa apenas tem a real consciência das coisas que têm quando temos de as enfiar em caixas para as mudar de local. Pensei muito sobre sustentabilidade nestes tempos de andar com as tralhas as costas. Pensei muito sobre o que compro, sobre a forma como compro. E no final destas mudanças percebi que menos é mais. Especialmente em coisas como roupa, calçado, loiça. Coisas que por vezes compramos porque é barato, ou porque achamos que precisamos. No final de contas são pilhas de coisas que acabamos de rejeitar no final, quando nos mudamos. Senão nos mudarmos são pilhas de coisas no sótão que não servem para nada, e das quais só nos lembramos de vez em quando nas limpezas.

 

Por isso quando a coisa acalmou e dei por mim com os cheques prendas de anos ainda para gastar e fiz o oposto do que fazia, comprei menos por mais. E não é que eu fosse já uma compradora impulsiva, sempre fui muito moderada nessas coisas, sempre cresci com pouco e a pouco me habituei. Mesmo assim acumulei coisas a mais, coisas que não uso e não servem para qualquer função. E senti em parte vergonha, porque estava a falhar. No entanto no meio da desarrumação e do cansaço fiz paz com isso, paz comigo mesma, e prometi tentar ser melhor.

 

Nesta semana tive tempo, um pouco mais de tempo. Andei a mudar um fecho a umas calças, a apertar umas que me estavam largas, mudei os botões a um casaco que não usava muito por não gostar dos botões. Coisas que estavam a um canto, sem função, que agora têm uma nova vida. Gostava de rematar este parágrafo de uma forma mais bonita mas ainda estou um pouco cansada. A minha criatividade parece ter-se esgotado estas semanas de mudanças. Acredito que vá voltar. Até lá vou reutilizar, reduzir e reciclar.

05
Abr19

Fiz trinta, e depois?

Patrícia Pereira

Fiz trinta faz umas semanas. E ao contrário do que antecipava, não foi o fim do mundo. Fez-me bem mais confusão fazer vinte e nove o ano passado. Passei este último ano a pensar em todas as coisas que eu achava que deveris ter feito aos trinta e não tenho. Todas as metas que achava que tinha de atingir, não sei porque ou para quem. A questão é que a vida não é uma corrida, ninguém vive de metas, embora em parte as estabelecemos como motivação. Se ninguém tiver objectivos qual é o sentido de ir trabalhar, estudar, namorar, viver.

 

Não fiz nada de especial nos meus anos. Era dia de semana. O comum do mortal tem um dia bem genérico a uma segunda-feira. Eu tive também, se exceptuar as mensagens e chamadas de amigos e familiares. De resto não fiz festa, não comi bolo, não apaguei velas. Em vez disso aproveite o facto de ter tirado o dia para tratar de aborrecimentos. Vou mudar de casa este mês e por isso aproveitei para tratar de burocracias de contadores para a casa nova. Foi por isso um dia produtivo. Apenas perdi cinco minutos para comprar um novo protector solar de rosto dado o meu actual estar a acabar, e dei por mim de forma inconsciente a escolher um diferente do habitual. Em vez de FPS 50+, FPS 50+ anti-rugas. Ri-me sozinha a olhar para embalagem, o meu subconsciente a pregar-me uma partida.

 

Sei que fiz anos e não cumpri nenhumas metas para este aniversário. Eu não estou a correr contra ninguém, apenas corro contra a minha própria mortalidade, como qualquer outra pessoa. E somos bem insignificantes no universo das coisas. E tenho amigos, família, dois gatos e um companheiro, saúde e energia quanto basta, logo não estou assim tão mal. Há pessoas com vidas bem mais complicadas. Porque raio tinha eu tantas reticências quanto aos meus trinta? Tudo na mesma, apenas mais FPS 50+ anti-rugas.

02
Abr19

A banda sonora da Maria – Tame Impala.

Patrícia Pereira

Tame Impala é muito amor. E como tantos outros fás de Tame Impala, conheci-os  por altura do álbum Lonerism, de 2012. Mas foi depois de ouvir o primeiro álbum, Innerspeaker, que passei a adorar. E a paixão estabeleceu-se naquele concerto do Super Bock Super Rock de 2014,  a primeira vez que fui a um festival de verão. Ainda me recordo da energia de ouvir uma multidão a cantar a Elephant aos pulos. E por isso esperava ansiosamente o sucessor de Currents de 2015. E embora ainda não se saiba muito do novo álbum já há duas musicas novas para ouvir a primeira Patience, e a mais recente ao vivo no SNL, Borderline, que deixo aqui.

 

Boas audições.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D