Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria não vai com as outras.

opiniões pessoais sobre tudo um pouco.

Maria não vai com as outras.

opiniões pessoais sobre tudo um pouco.

14
Nov19

A banda sonora da Maria - Trent Reznor and Atticus Ross

Patrícia Pereira

Bandas sonoras são uma das coisas que ouço com frequência. E Trent Reznor é daquelas alminhas que meto num pedestal em termos musicais, quer seja por Nine Inch Nails, quer seja pelas várias bandas sonoras. Ainda me lembro de ver o Gone Girl, e esta música foi das melhores partes do filme. E quando vi que o Trent Reznor acompanhado pelo Atticus Ross iam fazer a banda sonora de Watchmen da HBO fiquei logo com a pulga atrás da orelha. Logo nos créditos finais fiquei logo presa, e é em suma isto. A música é NUN WITH A MOTHERF*&*ING GUN.

Boas audições.

 

 

08
Nov19

Escrito no caderno, transcrito para o digital.

Patrícia Pereira

Uma história trágica de como uma relação de longa dada com a escrita está a esmorecer.

 

Durante anos associei à minha criatividade a minha identidade, como se fosse um laço indestrutível. No entanto chegada aos trinta, e não escrevendo nada de jeito há tempos, não entendo a sua função biológica em mim. Se por um lado a minha criatividade ganhou novas formas, como no ponto cruz ou no Photoshop e Illustrator, a minha paixão pelo texto esta em parte morna - isso é em si uma das minhas crises de identidade. O verbo já não é a minha paixão fogosa e não sei o que fazer com uma cabeça cheia de retorica. Se me ensinei a viver com esses princípios e se através deles encontrei alguma cura para a mágoa, para o meu medo de existir. Anos de preparação para isso deixaram me inapta para outras realidades, outras variações.

Claro que posso culpar o digital, ainda me recordo de quando escrevia em papel e não se apagava nada, pelo menos na minha escrita com caneta. No digital é mais fácil a censura, talvez seja esse o problema. O digital é como o meu cérebro, corrige antes de verbalizar. A vida real é como um papel escrito a caneta – nada se apaga permanentemente. E talvez tenha de substituir novamente o digital pelo papel, para fazer as pazes com a escrita e para poder saber quem sou novamente. Para atingir o realismo necessário que pretendo na minha escrita, sem censuras e com emendas visíveis.

Isto para dizer ola blogue. Passou um tempo mas ainda estou cá. Assim como a escrita, com a qual ainda estou casada. Ainda possuo a necessidade de extrapolar da minha realidade para uma realidade irreal, com censura digital. Este texto foi inicialmente escrito em papel, com riscos e letra imperfeita, mas tudo fica mais perfeito e politicamente correcto no digital. Apenas para dizer que voltei a escrever em papel por necessidade. Está é a versão melhorada de uma ideia incompleta, por isso veio aqui parar, para quem a quiser consumir. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D