Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria não vai com as outras.

opiniões pessoais sobre tudo um pouco.

Maria não vai com as outras.

opiniões pessoais sobre tudo um pouco.

22
Mar20

A Biblioteca da Maria.

Patrícia Pereira

Os meus hábitos de leitura até têm andado a melhorar, cortesia da falta de vontade para ver series que me têm afligido. Não tenho é relatado muito por aqui, por isso fica aqui um resumo:

books.PNG

O livro do Snowden foi o primeiro que li, dado que estava na fila de espera desde que saiu. Esperei só o tempo suficiente para estar a preços mais decentes no bookdepository para comprar. E sei que depois de ter comprado o livro dele provavelmente estou no sistema informático que ele descreve em minucia no próprio livro. O que é verdadeiramente agradável nesse livro é ver a forma pessoal com que o mesmo fala sobre o que levou as decisões que tomou, com vista ao bem comum, e em deterioramento dele mesmo. É de louvar haver ainda pessoas com integridade, e deu-me muito gozo ler este livro.

Já o livro sobre o Musk foi mesmo em virtude da minha curiosidade pela SpaceX. De uma auto-intitulada space nuts, este livro ajudou a perceber donde vem a curiosidade de Musk e o que tem levado ao sucesso das suas empreitadas. Não é a melhor das literaruras, no entanto é bom entretenimento.

Por ultimo o livro do Ronan Farrow veio no seguimento dos artigos do The New York Times, os quais antecipavam o livro e deixam com curiosidade de ler. Este foi dos três o que li mais depressa, porque não o conseguia pousar. A realidade é verdadeiramente mais bizarra que a ficção, e custa crer que coisas destas acontecem no sec. XXI. Para além de contar como conseguiu que as vítimas do Weinstein contassem a sua história, a dificuldade de a publicar na NBC, como mete espiões a contrato pelo meio. Adorei verdadeiramente este livro.

Boas leituras.

 

09
Mai19

A Biblioteca da Maria.

Patrícia Pereira

Decidi inaugurar a Biblioteca da Maria aqui no Blog. Porque sendo algo bastante importante para mim, ainda não escrevi nada sobre livros. Em parte porque a minha literatura ultimamente tem sido essencialmente dedicada a tese de mestrado. E embora o tema dos livros e da tese sejam interessantes, ler livros por trabalho não é a mesma coisa de ler livros por prazer.

 

Nos últimos tempos tenho comprado menos livros e lido menos. Quando a meados de 2017 decidi que ia fazer o mestrado sabia que algumas coisas iam ficar de lado um pouco e as leituras foi uma delas. Não é que eu não precise de livros como preciso de comida, mas consumo mais moderadamente. Por isso tento fazer boas compras no que toca as leituras. E no dia 23 de Abril decidi aproveitar a mare de descontos que se abateu pelas lojas de livros para comprar dois de não ficção, que imediatamente comecei a ler.

 

E eu tenho o hábito de ler livros tanto em português como em inglês. No entanto com autores estrangeiros tendo a comprar a versão em inglês por dois motivos: preço, porque infelizmente a carteira não é muito abastarda; e porque muitos dos livros que eu tenho interesse não chegam a ter tradução (nomeadamente muita da ficção cientifica que li e leio) e quando chegam o preços quase que duplica em relação ao valor do livro em inglês.

 

Bem os títulos a seguir vão fazer parecer de mim uma nerd, mas não tenham duvidas que sou, com orgulho. Ultimamente tenho lido muita não ficção, mas sempre a li, gosto de intercalar com os romances, fantasia e a muita ficção científica que tenho lido. Além de que a minha formação em bioquímica me tornou curiosa e tenho tendência para ler temas relacionados com saúde e nutrição.

 

 

The Story of the Human Body, por Daniel E. Lieberman.

 

the-story-of-the-human-body-2.jpg

 

Posso dizer que ao final de poucas páginas estava rendida. Ainda estou longe de terminar o livro, no entanto encontra-se em vias de ficar completamente cheio de post-its. A clareza e simplicidade como o tema da evolução é exposta é quase bruta, dado que não se prende a sentimentalismos. Deixo aqui uma frase que me deu que pensar o resto da semana:“(…) no organism is primarily adapted to be healthy, long lived, happy, or to achieve many other goals for which people strive. As a reminder, adaptations are features shaped by natural selection that promote relative reproductive success (fitness).”

 

Burnout: The Secret to Unlocking the Stress Cycle, por Emily Nagoski e Amelia Nagoski 

A1+-unICxaL.jpg

 

Este livro foi lançado este ano e ouvi falar dele pelo Instagram. Ainda li poucas páginas mas também já estou rendida. Especialmente porque é um livro de mulheres para mulheres e que fala de coisas que invariavelmente fazem parte da nossa experiencia. O conceito dos “Human Givers”, que deve ser bonito, feliz, calmo, generoso e atento às necessidades dos outros, que invariavelmente nos remete para a ideia da mulher. Ou pelo menos para a ideia que a sociedade têm da mulher. Ainda só li o capítulo sobre o stress e foi até agora bastante elucidativo, mesmo para uma pessoa que toda a vida lidou com ansiedade e já muito leu sobre o tema.

 

Por agora é tudo. Vou me voltar a agarrar ao Homo Ludens, do Johan Huizinga e da minha tese. Espero dar o feedback final dos mesmos, mas estes são daqueles que não parecem perder qualidade com a leitura, muito pelo contrario.

 

Boas leituras.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D